Quem são os neonazistas ucranianos

Por Francesco Bortoletto, via Europa.today

No país existem formações de ultradireita ativas, que também lutam contra os separatistas em Donbass. Kiev os explorou em uma perspectiva anti-russa, mas eles podem ser uma faca de dois gumes.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que queria “desmilitarizar e desnazificar” a Ucrânia, enviando o exército para proteger “as pessoas que foram intimidadas e massacradas pelo regime de Kiev por oito anos” e para “garantir a execução daqueles que cometeram vários crimes sangrentos contra civis ”nas autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, recentemente reconhecidas pelo Kremlin. A referência é às formações políticas e paramilitares de extrema direita que se multiplicaram e se fortaleceram no país desde sua independência da União Soviética em 1991. Nos últimos anos, algumas delas foram apoiadas, mais ou menos explicitamente, por Kiev em um papel anti-russo e se tornaram protagonistas dos combates nas províncias separatistas contra os rebeldes.

“Desnazificar” Ucrânia

Há meses, a propaganda russa vem denunciando a presença de elementos de ultradireita entre os combatentes nas áreas disputadas do leste da Ucrânia, chamando-os de “dignos herdeiros” das brigadas que, lideradas por Stepan Bandera, contribuíram para o ataque à URSS (precisamente na Ucrânia) durante a Segunda Guerra Mundial com o objetivo de criar um estado independente aliado à Alemanha de Adolf Hitler. Para lutar ao lado dos alemães, essas brigadas se organizaram no exército de insurreição ucraniano. A partir disso, foi criada uma divisão da SS (a 14ª Waffen SS Galicia), que agitou a antiga bandeira ucraniana amarela e azul, proibida pelo regime soviético.

De Bandera a Euromaidan

As formações de ultradireita ucraniana lutaram posteriormente contra os russos em várias ocasiões: ao lado dos georgianos em 1993, contra os separatistas abecásios apoiados por Moscou e em 1994 junto com os chechenos. Em ambos os casos, eles se viram no “lado perdedor”, mas na Rússia a memória dos “nazistas ucranianos” está longe de desaparecer. Em 2004, os nacionalistas reapareceram (embora com um papel marginal) na chamada Revolução Laranja na Ucrânia, que levou o pró-ocidental Viktor Yushchenko a assumir a presidência.

Mas foi em 2014 que grupos ultranacionalistas recuperaram a centralidade nos assuntos ucranianos. Durante as semanas do Euromaidan, grupos como o Pravyi Sektor [Setor Direito], os Patriotas da Ucrânia e os Batalhões de Defesa Territorial erguem-se às barricadas para derrubar o presidente Viktor Yanukovych. E desde que os separatistas exigiram a autodeterminação do Donbass, essas formações tomaram a linha de frente em confrontos com rebeldes e foram acusadas (não apenas pelos russos) de graves abusos e violações dos direitos humanos, inclusive contra civis.

Nos últimos anos, no entanto, a influência política exercida por esses grupos da direita radical também se expandiu substancialmente. Apesar de não poder contar com uma grande representação no parlamento, a ultradireita ucraniana ainda consegue influenciar a classe dominante graças às suas raízes nas ruas. Segundo muitos observadores, por exemplo, Kiev nunca aplicou os pontos dos protocolos de Minsk que previam um entendimento com os separatistas também devido à pressão dessas forças nacionalistas e neonazistas.

O batalhão Azov

Entre os grupos neonazistas ucranianos, o mais forte é certamente o chamado batalhão Azov. O corpo nasceu em maio de 2014 em Mariupol, cidade ucraniana com vista para o Mar de Azov, por Andriy Biletsky, um soldado conhecido pelo apelido de “Führer Branco” e defensor da pureza racial da nação ucraniana. Foi inicialmente uma milícia irregular composta por ultras neonazistas que lutaram contra os rebeldes ucranianos, sendo culpados de inúmeras atrocidades, por diversas fontes (incluindo a Anistia Internacional e a OSCE, a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) também contra a oblasts orientais, de Kharkiv a Lugansk.

Em outubro do mesmo ano o batalhão tornou-se tão grande que foi colocado na Guarda Nacional, sob o controle do Ministério do Interior, para aproveitar ao máximo as milícias que se mostraram cruciais para conter o avanço dos rebeldes no Donbass. Biletsky ganhou o posto de coronel e uma medalha de bravura por liderar o esquadrão sem dúvida mais eficaz para a frente.

Agora o Azov, que tem cerca de 1.260 soldados, é um regimento de forças especiais e é treinado por instrutores da OTAN, mas manteve as insígnias que traçam os emblemas da SS nazista acima do chamado sol negro, outro símbolo caro a Hitler. Desde fevereiro de 2019, ele foi implantado novamente no Donbass e provavelmente estará na linha de frente contra as forças armadas russas nas próximas horas.

As ligações europeias

O movimento tem tentáculos em toda a Europa e além: junto com outras organizações, forma uma rede internacional de recrutamento que atrai neonazistas e supremacistas brancos de ambos os lados do Atlântico (inclusive via Facebook), ganhando o apelido de “Legião Negra Ucraniana”. Centenas de jovens vêm de diferentes lugares para a Ucrânia para lutar entre suas fileiras e, uma vez que retornam ao seu país, mantêm a conexão com os centros de recrutamento ucranianos.

Na Itália, o batalhão teve vários contatos com a galáxia de grupos de extrema-direita (também destacados através das investigações sobre as redes de neoterrorismo) e em particular com os militantes da CasaPound, alguns dos quais teriam participado dos treinamentos do Azov.

O partido

Mas Azov não é apenas um regimento: é também um movimento político, que se estrutura ao longo do tempo. Seu fundador Biletsky criou um partido, o National Corps, em outubro de 2016 e publicou um livro, As palavras do Fuhrer Branco, que serve como um manual de treinamento para recrutas. O campo de ação de Azov se expandiu, a ponto de incorporar outras galáxias de extrema direita, como os Patriotas da Ucrânia (que foram acusados ​​de atacar imigrantes e estudantes).

Entrevistado pela Repubblica, Biletsky declarou-se um homem de direita, mas não se considerava nem nazista nem fascista. Quanto aos crimes de guerra de que seu regimento é acusado, ele não os reconheceu e, de fato, disse que seus homens “sempre se comportaram como cavaleiros, ao contrário dos russos”. Alguns “departamentos nacionais” (costelas de Azov) concorreram às eleições parlamentares de 2019, mas não atingiram a votação necessária. O seu programa político incluía a expansão dos poderes presidenciais, o corte de laços com Moscou, a oposição à entrada de Kiev na UE e na OTAN, o relaxamento das regras sobre o porte de armas e a reintrodução da pena de morte para alguns crimes .

Pressão em Kiev

Parece até que as classes dominantes ucranianas instaram essas formações a se armarem mais fortemente na perspectiva de resistência armada contra os russos, conforme relatado pelo New York Times. Mas pode se tornar uma faca de dois gumes para o governo ucraniano se os ultranacionalistas sentirem que Kiev deu demais a Moscou para conseguir uma trégua. “Se alguém do governo ucraniano tentar assinar (as negociações com a Rússia), um milhão de pessoas sairá às ruas e esse governo deixará de ser o governo”, disse Yuri Huymenko, chefe da milícia Machado Democrático, outra formação direitista nascida nos últimos anos. Com seu grupo, ele disse estar pronto para pegar em armas e não perdoaria seu país por uma linha muito “suave” em relação ao invasor: antes de fazer concessões ao Kremlin, argumentou, devemos resistir.

E muitos partidos políticos são da mesma opinião: não se pode ceder a Moscou. De acordo com Oleksandr Ivanov, chefe do Movimento Contra a Capitulação, a sociedade civil na Ucrânia “tem uma influência maior na política do que os partidos políticos propriamente ditos”. E, nas palavras de Huymenko, os políticos de Kiev “temem mais o povo ucraniano do que o exército russo”. De sua parte, Zelensky acusou o Machado Democrático de uma tentativa de golpe no outono, mas o ataque ordenado por Putin embaralhou todas as cartas na mesa.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

3 comentários em “Quem são os neonazistas ucranianos”

Deixe um comentário